terça-feira, 31 de março de 2009


Eu não sei, mas gostaria de saber, o que ainda há por dizer.
És o que receio e o que mais quero.
A pessoa que mais falta me faz e a que mais longe quero manter.
Tanto consegues ser tudo como o nada logo a seguir.
Um abismo que quero cair, um encantamento que quero acreditar.
Consigo odiar-te como amar-te também.
E de toda a dúvida que possa ficar, eu sei que me vais magoar e que mesmo assim eu irei continuar.

6 comentários:

Joana Éme. disse...

as dicotomias do amor são tão lixadas. para não dizer fodidas :o

Silvana disse...

"A pessoa que mais falta me faz e a que mais longe quero manter."

Já passei por isso, e fiz um texto que expressava exactamente o mesmo que o teu..."Eu não te pedi que voltasses, mas também não te pedi que fosses.
Não gostava de te encontrar pelo meu caminho, sentia sempre que estava a recuar no passado, isso dava cabo de mim."

ás vezes as coisas que menos queremos enfrentam-nos assim, e nós não as queremos ver, nem ouvir, e muito menos pensar nelas ou percebe-las.

gostei muito do texto ^^

as velas ardem ate ao fim disse...

sonhar é preciso.

bjo

Paladar disse...

Adorei o teu espaço e o que escreves :)

Narcisa disse...

Yeps. Isso consigo entender.

as velas ardem ate ao fim disse...

bjo grande