quinta-feira, 5 de março de 2009


Quando julgo que preciso de muito, que nada me satisfaz, olho para o lado e estás lá tu a lembrar-me como é bom rir e sorrir.
Hoje sentia-me cansada, o dia estava cinzento e o frio invadia-me o corpo.
Faltavas tu para me animar, senti a tua falta.
Mas depois, acabaste por aparecer e logo o meu dia parecia ter acabado de recomeçar.
Um chá, um sitio acolhedor, um gato que liberta demasiado pêlo e as tuas piadas, que mesmo sem graça, me fazem rir, fizeram-me esquecer o vento e a chuva que me(nos) tem atormentado ultimamente.


Amo-te como certamente nunca amarei ninguém.


( Foto: Velha-a-branca tirada por uma pessoa que se lembrou de captar o meu braço )

3 comentários:

Beatriz Cró disse...

Há pessoas que com os seus pózinhos mágicos nos fazem tão bem.

ash. disse...

A maioria das vezes, as pessoas fazem-nos (mais) falta nesses momentos.

Sentia saudades de ler algo de Pandora.

g disse...

E porque é que que só há sempre uma capaz dessa magia!