quarta-feira, 9 de julho de 2008


Agora que partiste só quero que regresses.
As coisas ficavam sempre por resolver, era um fim inacabado, e neste momento, quando está quase tudo resolvido, sinto medo dessa resolução.
Não sei nada de ti, deixaste-me sem noticias, sinto um aperto no peito como te tivesse perdido para sempre. Como já não houvesse tempo para dizer as palavras que faltavam, dizer-te o quanto gosto de ti, que apesar de tudo, do bem e do mal, quero que permaneças na minha vida. O papel pode ser diferente mas é de igual importância.
Não vás para longe, fica por aqui, deixa-te contar as minhas piadas sem nexo, deixa-me aborrecer-te com as histórias que só eu entendo, vem e prometo que não te acordo ao meio da noite e acima de tudo, prometo que não apago a luz, sei que continuas com medo do escuro.
“Eu preciso de ti. Tu precisas de mim”
Posso negar o quanto quiser, mas nunca deixará de ser verdade.
Adoro-te

1 comentário:

Catarina F. disse...

muito bonito e profundo.

=) **