sexta-feira, 31 de outubro de 2008


Se foi em vão que te perdi, diz-me porque acabei por te encontrar mesmo quando o teu nome nem lembrava ouvir?
Para haver uma despedida não é preciso o "adeus", uma porta a fechar, um comboio a partir, a despedida é quando juramos negar a memória daquele que foi, deixar que a mera presença física seja o único motivo de lembrança, quando na verdade, o amor, quando existe, está presente, mesmo que a quilómetros de distância.

Foto: Pelas ruas de Florença.

5 comentários:

noémi disse...

tenho orgulho em ti!

kris disse...

o amor, mesmo a quilómetros de dsitância, existe e está presente..
realmente parece é que fica adormecido...esquecido...
é doloroso, mata um pouco de nós cada dia....

borrachaverde disse...

"Se foi em vão que te perdi, diz-me porque acabei por te encontrar mesmo quando o teu nome nem lembrava ouvir?"

Por tantas vezes sentimos isto sem sequer conseguirmos encontrar uma explicação, uma razão viável para sermos escolhidas por estes "momentos".

E depois disto há sempre uma despedida...

:)

Anónimo disse...

Apesar de sabermos que o amor está presente, por mais distante que estejamos, a saudade dói muito...

Mar da Lua disse...

Para haver uma despedida...nem é precisa distância, nem o "adeus" e nem sequer uma renúncia dos sentidos ou um repúdio das memórias. Para haver uma despedida...basta Ser sem estar ou Estar sem ser.