domingo, 8 de junho de 2008

Bailarina de caixa.


Estás sempre com um ar melancólico,
Nunca sorris para mim,
A tua dança é sempre triste,
E mal posso esperar para ver o seu fim.

Quando abro a caixa, levantas-te devagar,
Já estás pronta para dançar
A música é sempre a mesma,
Mas não te fartas de rodopiar.

Movo a pequena manivela
A melodia começa logo a tocar
E tu, minha bailarina,
Infeliz como o solitário luar
Começas logo a dançar.

Eu sei que disto te queres livrar,
Com esta musica, acabar,
Por tanta coisa relembrar,
E tão poucos motivos para sorrir, te dar.

Porém, bailarina de caixa,
Tu não podes sonhar,
Ficarás sempre por libertar,
És prisioneira do teu sonho,
Ser livre para bailar.

(Estreia na poesia)

3 comentários:

Catarina F. disse...

gostei =D

mas gosto mais dos textos... por enquanto acho q nos textos és como os peixes no mar, nos poemas (para uma estreia) estás bem, mas falta qualaquer coisa. acho que para serem tao bons como os textos precisam de uma profundidade um pouco maior. percebes-t ou nem por isso? quer dizer, nao precisas de perceber pq é so uma opiniao e so a aceitas se quiseres!

continua! =P **

Pandora disse...

Compreendo :)
Confesso que não tenho muito jeito para poesia, mas um dia sem querer comecei a escrever e deu este resultado.

Kate disse...

=] para começo, arrancaste muito bem. Continua a praticar

beijinho